sábado, 28 de agosto de 2010

DUETO "ENCONTRO FATAL"

                                 Site dessa Imagem: notapositiva.com

DUETO / ENCONTRO FATAL
Teresa // Deley


VIDA ( Poetrix)
Teresa Cordioli

Vida, são os dias
que correm
em direção à morte!
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

MORTE Dueto baseado no poetrix acima "VIDA" de Teresa Cordioli
Deley...

Naquele inevitável encontro,
A vida com toda humildade,
Pediu uma oportunidade à morte;
A morte? Obvio, ignorou,
Não disse absolutamente nada,
Com uma impassibilidade desmedida,
Simplesmente abraçou a vida,
A vida? Coitada!!!
O que fez foi entregar-se calada,
A esse enlace consorte;
Como o sangue entrega-se ao corte,
Como a agulha entrega-se ao ponto,
Como o frágil entrega-se ao forte.

....terminaria ali esse encontro?

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

VIDA (réplica)resposta ao poema "Morte" de Deley...
Teresa Cordioli

No abraço mais forte,
A vida tão frágil
Entrega-se à morte...e Sorri!
Mostrando aos vivos
Que a vida é passageira
Que a morte é a ponte certeira
Entre o físico e o metafísico (universo)
A vida quase sem forças
Pergunta à morte
- qual o seu nome?
Ela responde e nada esconde:
- Separação é o meu nome...
A vida ainda indignada...
Pergunta à morte o que ela veio fazer...
A morte responde:
- Vim te trazer uma coisa nova...
Chamada recomeço...
Paradoxo? __ Não?
A vida sem medo,
Continua a caminhada a cantar...
A morte indignada
De não vê-la chorar, pergunta por quê?
A vida sorrindo reponde baixinho:
- Estou acompanhada...agora vou viver!
Tudo o que fiz, foi só sofrer!
A morte insiste:
- Quem está com você?
A vida lhe diz: - A Esperança...
Essa você não a vê...
Só a vida é que a tem como companheira...
Aqui ou no além...
Sei que, só a vida tem...
Esperança de nova vida viver...

esse econtro termina aqui?

Obrigada Deley...Foi um dos duetos que mais amei fazer... muito profundo o encontro dos versos....

4 comentários:

Silvana Fabbri disse...

Que lindo Tereza .... e viva a vida.
Beijokas
meumundocordeabobora

MOR disse...

FAÇO PARTE

MOR

Neste dueto belo
Estou nele inserido.
Era até o flagelo
Que poro homo conhecido.

De tão pequeno ao nascer
Num respirar de juriti.
Eu queria era viver
Foi o que consegui.

Nem quero saber o momento
Do dia que vou partir.
Tenho muito lançamento
para os leitores sorrir.

São José/SC, 29 de agosto de 2010.
www.poetasadvogados.com.br
www.mario.poetasadvogados.com.br
mosnyoiram@gmail.com

Mar disse...

Teresa......
Muito bom mesmo
Gostei
Bjus

Davi Cartes Alves disse...

Sublime! Por estas searas de vida, jorra generoso o chafariz da poesia. Beijo - Davi Cartes Alves